Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Gaia Ciência

Gaia Ciência

Carl Jung e a psicologia dos sonhos

Carl Jung (1875-1961) trabalhou com Sigmund Freud e foi um dos seus primeiros protegidos até 1913, altura em que diferentes abordagens à análise dos sonhos provocaram um fosso entre eles.

 

Carl Jung

 

Como Freud, Jung acreditava que os sonhos podiam revelar a origem de problemas inconscientes, mas não acreditava que todos eles derivassem de conflitos inconscientes ou que esses conflitos (e os símbolos que os representavam) fossem sexuais. Acreditava que muitos símbolos apenas podiam ser interpretados e compreendidos se relacionados com a experiência do sonhador, não se lhes podendo atribuir significados fixos.

 

Preferia também analisar uma série de sonhos em lugar de um isolado, a fim de averiguar a possibilidade de delinear um tema que pudesse ser importante para a evolução pessoal do paciente.

 

Jung acreditava ainda que muitos sonhos possuíam mais do que um significado pessoal e que continham símbolos que superficialmente pareciam insignificantes para o sonhador. Estes provinham daquilo a que chamou o "inconsciente coletivo" – um conjunto de pensamentos, sentimentos e imagens partilhados pelos humanos de todas as culturas.

 

Este banco de memória hereditário manifesta-se através de símbolos, imagens e histórias universais chamados "arquétipos", que emergem repetidamente nos contos de fadas, nas fantasias e nas religiões e que refletem os desejos e experiências humanas básicas.

 

Para Jung, a análise dos sonhos era uma ferramenta de valor inestimável para a autodescoberta e para o desenvolvimento pessoal e não um método de desenterrar traumas do passado.

 

Associação direta

 

Jung acreditava que os pensamentos e associações devem referir-se sempre diretamente ao símbolo. Para experimentar, escreva o símbolo num papel (por exemplo: carro), pense nele e anote todas as ideias e imagens associadas que lhe ocorram, fazendo constantemente referência ao símbolo inicial. Por exemplo: rodas-velocidade-rápido-controlo-potência.

 

Quando tiver esgotado esta cadeia de pensamentos, passe ao símbolo seguinte e faça outra lista para esse. Verá que certos temas recorrem e que determinados símbolos se tornam familiares. Com o tempo, aprenderá a compreender a linguagem dos seus sonhos.