Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Gaia Ciência

Gaia Ciência

Edmonia Lewis, a escultora negra

Edmonia Lewis (1844-1907) foi uma escultora americana que trabalhou durante a maior parte da sua carreira em Roma, na Itália. Ela foi a primeira pessoa entre a comunidade afroamericana a alcançar a fama internacional e o reconhecimento como escultora no mundo das belas artes. O seu trabalho é conhecido por incorporar temas na escultura relacionados com negros e americanos nativos em estilo neoclássico. As suas primeiras obras surgiram durante o tempo da Guerra Civil e, no final do século XIX, era a única mulher negra que tinha participado em qualquer tema artístico americano. Em 2002, o estudioso Molefi Kete Asante colocou Edmonia Lewis na sua lista dos 100 maiores afroamericanos de sempre.

 

Edmonia Lewis

 

Nascimento

 

A data de nascimento de Edmonia Lewis foi registada com a data de 4 de julho de 1844. Foi registada em Greenbush (atual Rensselaer), Nova Iorque. O seu pai era afrohaitiano, enquanto a sua mãe era de Mississauga Ojibwe e de ascendência afroamericana. A mãe de Lewis era conhecida como uma excelente tecelã e artesã, enquanto o seu pai era um servo de um cavalheiro.

 

Educação

 

Em 1859, quando Lewis tinha cerca de 15 anos, o seu irmão Samuel e os abolicionistas enviaram-na para o Oberlin College, onde mudou o seu nome para Mary Edmonia Lewis. Na época, a Oberlin College era uma das primeiras instituições de ensino superior nos Estados Unidos a admitir mulheres e pessoas de diferentes etnias. A educação que recebeu em Oberlin mudariam significativamente a sua vida, porque foi onde começou os seus estudos de arte. Lewis embarcou com o Reverendo John Keep e a sua esposa em 1859 e ficou no colégio até 1863. O reverendo Keep era branco e um membro do conselho de curadores, mas também era um abolicionista militante. Durante o ano letivo de 1859-60, Lewis matriculou-se no Departamento de Preparação para Jovens Damas, que tinha sido criado e projetado para "dar às jovens senhoras instalações para a disciplina mental completa e para a educação especial que irá qualificá-las para o ensino e outros deveres da sua esfera".

 

Início da carreira como escultora

 

Obra de Edmonia Lewis

 

Após a faculdade, no início de 1864, Lewis mudou-se para Boston, onde começou a desenvolver a sua carreira como escultora. Encontrar um mestre, no entanto, não foi fácil para a jovem mulher. Três escultores recusaram-se a instruí-la, até que foi apresentada ao escultor moderadamente bem sucedido Edward A. Brackett (1818-1908), que se tinha especializado em bustos de mármore. Os seus clientes foram alguns dos abolicionistas mais importantes da época, incluindo Henry Wadsworth Longfellow, William Lloyd, Charles Sumner e John Brown. Para ensiná-la, ele emprestou a Lewis os seus fragmentos de esculturas para copiar em barro, que depois criticou. Sob a sua tutela, ela criou as suas próprias ferramentas de escultura e vendeu a sua primeira peça, uma escultura de uma mão de mulher, por 8 dólares. O relacionamento entre ambos não terminou amigavelmente, como foi mencionado por Anne Whitney, numa carta que escreveu à irmã em 1864. A razão para a divisão, no entanto, nunca foi mencionada. Lewis abriu o seu próprio estúdio ao público na sua primeira exposição em 1864.

 

Em Roma

 

A Morte de Cleópatra, por Edmonia Lewis

 

O sucesso e a popularidade dessas suas primeiras obras em Boston permitiram que Lewis suportasse o custo de uma viagem a Roma, em 1866. No seu passaporte de 1865 está escrito: "M. Edmonia Lewis é uma menina negra enviada por assinatura para a Itália, tendo exibido grandes talentos como escultora". O escultor Hiram Powers, já estabelecido em Roma há muitos anos, deu-lhe espaço para trabalhar no seu próprio estúdio. Ela entrou num círculo de artistas expatriados e depois estabeleceu o seu próprio espaço dentro do antigo estúdio do século XVIII do italiano Antonio Canova. Lewis recebeu apoio profissional de Charlotte Cushman, uma atriz de Boston e uma figura fundamental para os escultores expatriados em Roma, e Maria Weston Chapman, uma militante dedicada à causa abolicionista norte-americana.

 

Morte

 

Durante muito tempo, o ano da morte de Edmonia Lewis era tido como tendo acontecido em 1911, em Roma. Uma opinião alternativa depreendeu que ela morreu no condado de Marin, na Califórnia, e que estava enterrada numa sepultura anónima em São Francisco. Estudos recentes descobriram que ela morava na área de Hammersmith, em Londres, Inglaterra, antes da sua morte em 17 de setembro de 1907, na Enfermaria Hammersmith Borough. Segundo o seu atestado de óbito, a causa da morte foi a doença crónica de Bright. De acordo com registos paroquiais, ela está enterrada no cemitério St. Mary's, em Londres.