Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Gaia Ciência

Gaia Ciência

Saiba quem foi Hassan Fathy, o grande arquiteto do Egito

Hassan Fathy (1900-1989) foi um notável arquiteto egípcio que foi pioneiro na tecnologia apropriada para a construção no Egito, especialmente trabalhando para restabelecer o uso de materiais tradicionais em oposição aos projetos de construção industrializados.

 

Em lugar dos materiais de construção mais utilizados nos países de primeiro mundo, o grande arquiteto egípcio utilizava preferencialmente tijolos de adobe. É considerado como o melhor arquiteto da história do país dos faraós, só superado pelo lendário Imhotep.

 

Hassan Fathy

 

Hassan Fathy nasceu em Alexandria em 1900. Formou-se como arquiteto no Egito, graduando-se em 1926 pela Universidade King Fuad (atualmente Universidade do Cairo).

 

Carreira

 

Fathy tinha muitos talentos – foi professor, engenheiro, arquiteto, dramaturgo, inventor e músico amador. Projetou cerca de 160 empreendimentos, desde retiros modestos até comunidades totalmente autosuficientes com serviços de polícia, de bombeiros e médicos, mercados, escolas, teatros e locais de culto e recreação. Essas comunidades incluíam muitos edifícios funcionais, como lavandarias, fornos e poços. Fathy utilizou métodos e materiais de design antigos, bem como o conhecimento da situação económica rural egípcia com um amplo conhecimento de técnicas de arquitetura antiga e design de cidade. Ele treinou os habitantes locais para fazer os seus próprios materiais e construir os seus próprios edifícios.

 

Comunidade

 

Hassan Fathy começou a ensinar na Faculdade de Belas Artes em 1930 e projetou os seus primeiros edifícios de adobe no final dessa década. Ele ganhou aclamação crítica internacional pelo seu envolvimento na construção de Kurna, localizada na Cisjordânia de Luxor, construída para reassentar os ladrões de túmulos que operavam no Vale dos Reis e no Vale das Rainhas. Este projeto foi aplaudido num popular semanário britânico em 1947 e logo depois num jornal profissional britânico; outros artigos foram publicados em espanhol, francês e em holandês.

 

Em 1953 retornou ao Cairo, dirigindo a seção arquitetónica da faculdade das belas artes em 1954. O próximo grande compromisso de Fathy foi projetar e supervisionar a construção de escolas para o Ministério da Educação do Egito.

 

Hassan Fathy

 

Em 1957, frustrado com a burocracia e convencido de que os edifícios falam mais alto do que as palavras, mudou-se para a capital da Grécia, Atenas, para colaborar com arquitetos internacionais em novos projetos arquitetónicos. Foi também um defensor de soluções tradicionais de energia natural em projetos principais de comunidade no Iraque e no Paquistão e empreendeu as viagens e a pesquisa prolongada para o programa das cidades do futuro em África.

 

Voltando ao Cairo em 1963, mudou-se para Darb al-Labbana, perto da Cidadela, onde viveu e trabalhou para o resto da sua vida. Fathy também fez discursos públicos e consultoria privada. Era um homem com uma mensagem rebitadora que sempre procurou alternativas de combustível, interações pessoais e apoios económicos.

 

Deixou a sua primeira grande posição internacional, na Associação Americana para o Avanço da Ciência, em Boston, em 1969, para completar várias viagens como um membro crítico da profissão de arquiteto.

 

Arquitetura de Hassan Fathy

 

O seu livro autoritário sobre Gourna, publicado numa edição limitada em 1969, tornou-se ainda mais influente em 1973, quando ganhou um novo título em inglês, "Arquitetura para os Pobres".

 

Em 1980, recebeu o Prémio Balzan de Arquitetura e Planeamento Urbano e o Prémio Direito de Subsistência. Ocupou depois vários cargos governamentais e morreu no Cairo em 1989.

 

Vida pessoal

 

Hassan Fathy casou-se com Aziza Hassanein, irmã de Ahmed Hassanein. Ele projetou uma casa de campo para ela ao longo do Nilo em Maadi, que foi destruída para abrir caminho para a corniche. Também projetou o mausoléu de seu irmão (1947), ao longo Salah Salem, em estilo neomameluco.

 

Os filhos dos seus cinco irmãos e irmãs, conscientes da obrigação de preservar a herança do tio, lutam atualmente para garantir que os materiais de construção que transmitem os seus ideais e a sua arte permanecerão disponíveis no Egito para o futuro benefício do país.